Santuário Virtual

Online desde 2013

Santuário Virtual

Contador de Visitas

A lua agora

CURRENT MOON

Quando é SAMAHIN no HN, é BELTHANE no HS – Vamos celebrar?

Você já deve ter ouvido falar do Dia das Bruxas, ou Halloween. Existe uma grande possibilidade de que essas festas derivaram de uma grande festa que costumava ocorrer nos povos celtas anteriores, celtas que já festejavam o dia das bruxas há milênios. Esse dia, para os Celtas, se chamava Samhain. Era a última colheita, no solstício de verão, ou seja, o último dia de verão antes do outono cair completamente em suas terras.

Aqui no Hemisfério Sul estamos às portas do Verão celebrando no dia 31 de Outubro os festivais de Belthane:1º de NOVEMBRO –  Belthane, a Deusa se transforma em um lindo Cervo Branco e o jovem Deus é o Caçador alado. Ao ser perseguida pela floresta, o Cervo Branco se transforma em uma linda mulher, e assim Eles se unem e a sua paixão sustenta o mundo. Origem: politeísmo celta – pleno florecimento da primavera , época dos CONTOS de fadas.

 

SUGESTÃO PARA VOCÊ CELEBRAR BELTHANE NO SANTUÁRIO:

Leia  OU CONTE para alguém  “A ALEGRIA DE ELORY” (Post anterior de 21/09/2013) e procure pelo mundo dos Contadores de Estórias partindo do seu próprio Santuário. Procure por um caminho que te leve até lá.

o se esqueça de convidar alguns amigos para essa aventura. Leve toda a sua magia consigo e saboreie a viagem!

Talvez você  encontre esse mundo maravilhoso em Restitutus…

Não se esqueça de se colocar bem no centro do Mapa do Universo Conhecido para obter equilíbrio, cura, grandes idéias, energia, respostas, descanso, restauração…

 

Beltane

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

BeltaneBeltain ou Bealtaine é um festival celta, ainda comemorado nos dias atuais, reconhecido nas comemorações da Festa da Primavera, mas que originalmente marcava o verão. Devemos, entretanto, deixar claro que há uma grande discrepância entre as comemorações contemporâneas (em que primam a sensualidade humana) e a comemoração em tempos remotos (que tinham um enfoque maior na fertilidade da terra).1 O Beltane é o mais alegre dos festivais celtas, onde os participantes dançam, e se alegram nas voltas da fogueira.2

Oposto ao festival Samhain, o Beltane é um festival da fertilidade, simbolizando a união entre as energias masculina e feminina, a fertilidade da terra e os fogos do deus celta Belenus, e toda sua energia e luz.3 4

Durante o festival, eram acesas fogueiras nos topos dos montes e lugares considerados sagrados, sendo um ritual importante nas terras celtas. E como tradição, as pessoas queimavam oferendas como, por exemplo, totens para que o poder do fogo fosse passado ao rebanho e, pulavam as fogueiras para que se enchessem das mesmas energias poderosas.

Representa o início do Verão e marca a morte do Inverno, sendo comemorado com danças e banquetes.

Ocorre em 30 de abril no Hemisfério Norte31 de outubro no Hemisfério Sul.

Na obra “As Brumas de Avalon” de Marion Zimmer Bradley, é relatada a festividade, mas deve se lembrar que em épocas remotas a sexualidade dispunha de um lugar de destaque e de pouco pudor, pois como mencionam-se em muitos textos, é a celebração da fertilidade.

A fertilidade nesta celebração consta como o desabrochar da Primavera, com o abrir das flores, as sementes e a vida da prole considerada no Reino Animal. Uma festa que deve ser regada de muita alegria, com danças, coroas de flores e um banquete que valoriza os alimentos da época e principalmente a fogueira, ou algo representando o fogo. Para que possamos deixar que este elemento livre-nos das doenças e que reinicie a vida, na forma primordial, simples e pura.

Muitos grupos que seguem a espiritualidade céltica ainda celebram este festival, assim como o outro.

 

 

SAMHAIN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Samhaim (em irlandês Samhaingaélico escocês Samhuinnmanês Sauin e em gaulês Samonios) era o festival em que se comemora a passagem do ano dos celtas. Marca o fim do ano velho e o começo do ano novo. O Samhain inicia o inverno, uma das duas estações do ano dos celtas. O início da outra estação, o verão, é celebrado no festival de Beltane. Este festival, Samhain, é chamado de Samonios na Gália. Segundo alguns autores, grande parte da tradição do Halloween, do Dia de Todos-os-Santos e do Dia dos fiéis defuntos pode ser associada ao Samhaim. O Samhaim era a época em que acreditava-se que as almas dos mortos retornavam a suas casas para visitar os familiares, para buscar alimento e se aquecerem no fogo da lareira.1 Alguns autores acham que não existe nenhuma evidência que relacione o Samahin com o culto dos mortos e que esta crença se popularizou no século XIX. Segundo o relato das antigas sagas o Samhain era a época em que as tribos pagavam tributo se tivessem sido conquistadas por outro povo. Era também a época em que o Sídhedeixava antever o outro mundo. O fé-fiada, o nevoeiro mágico que deixava as pessoas invisiveis, dispersava no Samhain e os elfos podiam ser vistos pelos humanos. A fronteira entre o Outro Mundo e o mundo real desaparecia.2 Uma das datas do calendário lunar celta de Coligny pode ser associada ao Samhain. No 17º dia do mês lunar Samon, a referência *trinox Samoni sindiu é interpretada como a data da celebração do Samhain ou do solstício de Verão entre os Gauleses.3

Etimologia

A palavra Samhain significa fim de verão e deriva de duas palavras “samh”,verão, e “fuin”, fim.4 O mês de Novembro é chamado em Irlandês de “Mí na Samhain”.

Samhain atualmente

Hoje ainda é comemorado e sobreviveu à cristianização através do halloween, ou dia das bruxas, onde as crianças pedindo doces representam os sidhs que passavam do outro mundo para este nesta noite.

Os praticantes de diversas religiões inclusive neopagãs celebram-no, como por exemplo o Druidismo. Ele é celebrado no dia 31 de Outubro no hemisfério norte e 30 de abril no hemisfério sul. Essa diferença existe porque as estações são invertidas de um hemisfério para o outro.

Esta era a celebração de “ano novo” dos Celtas e ainda hoje se encontra grupos que celebram e assim o consideram, como o fim do ano.

Esta ligado ao culto aos Ancestrais, tão importante na espiritualidade Celta, e aqui os mortos queridos, podem bailar conosco e dividir nossa ceia sagrada, pois é nesta noite que as cortinas do Outro Mundo estão abertas.

Os Celtas não acreditavam em demónios, mas determinadas entidades magicas eram consideradas hostis para os humanos, seus animais e colheitas. Deste modo muitas pessoas pregavam partidas aos seus vizinhos, como trocar os gados por figuras humanoides, para assustar, ao qual se tornou muito famosa a Jack o’Lantern ou a famosa abóbora iluminada de Halloween.

Galiza e Países lusófonos[editar]

Na Galiza e norte de Portugal

O Samhain é uma festa associada ao ciclo anual do sol que faz parte do Património Imaterial Galego-Português. A recuperação da tradição do Samhain envolve várias escolas que promovem actividades que por sua vez são inseridas na promoção da candidatura a Património Imaterial.5 6 Diversas aldeias na Galiza começaram a recuperar as celebrações apoiadas pela recolha de testemunhos e documentos sobre as antigas tradições locais 7 8 Provavelmente o Magusto seja o herdeiro direto no território da velha Gallaecia do antigo Samhain, conservado ainda hoje com o seu ritual culinário específico no que as castanhas fazem uma parte importante do mesmo.

Brasil

Muitos grupos de neopaganismoDruidismo ainda celebram este Festival, e no Brasil não é diferente. Sendo dentro de casa ou em matas fechadas, a 1 de maio pode-se notar a aura de Samhain rodando a noite, convidando para a fogueira.

Aqui as celebrações ainda são discretas e reservadas aos pequenos grupos, nada público, mas isso pode mudar.

Existe um grupo que por respeito à sua língua mãe (o português), e por desconhecimento das tradições do Magusto, traduz o nome do Festival de Samhain para “Noite dos Antepassados”, o que é bastante aceitável e comum.

 

A SEGUIR ANEXO UM TEXTO QUE MERECE SER REPRODUZIDO INTEGRALMENTE:

Vale a pena  visitar o blog: http://thanatoscanta.blogspot.com.br/2013/02/mitologia-celta-1-

MITOLOGIA CELTA – SAMHAIN

Todos hoje em dia ouviram falar do Dia das Bruxas, ou Halloween. Mas, há uma grande hipótese de que essas festas surgiram de uma grande festa que costumava ocorrer nos povos celtas anteriores, celtas que já festejavam os dias das bruxas há milênios atrás. Esse dia, para os Celtas, se chamava Samhain. Era a última colheita, no solstício de verão, ou seja, o último dia de verão antes do outono cair completamente em suas terras. No calendário celta, o ano era dividido entre luz e trevas. O Samhain era o dia em que terminava a metade de luz (primavera e verão) e começava a metade das trevas (outono e inverno). Para eles, o Samhain era celebração do que hoje é o Reveillon para nós mortais atuais. Era a passagem de um ano para o outro. Interessante, não? O ano para eles terminava no dia 31 de Outubro (equivalendo o calendário celta ao nosso calendário católico ocidental). E, para eles, o dia das bruxas não era apenas uma festa de diversão.

Naqueles tempos remotos, quando os Celtas caminhavam nas terras da França, Ilhas Britânicas, etc, o inverno rigoroso da Europa era sinônimo de morte. A falta de comida por um longo período de tempo (6 meses!) era uma tarefa difícil de sobrevivência. Para eles, era quando o deus Mitra morria e atravessava o véu para o reino dos mortos. Junto com ele, foi-se o calor aconchegante, as colheitas, a luz do dia. Fica na terra dos vivos apenas trevas, florestas nuas e improdutivas. Os animais se recolhiam para se aquecer, muitos hibernavam, para a estação passar rápido enquanto dormiam. Enquanto Mitra estava no reino dos mortos, sua esposa Deusa descia e procriava com ele, engravidando do próprio deus Mitra, que nasceria novamente no início do próximo verão, em forma de luz pura, trazendo novamente calor, vida, colheita e conforto para os Keltoi (Celtas).

A crença deles revelava que era neste dia em que o mundo dos vivos e dos mortos se entrelaçavam, o véu que dividia essas duas “terras” (fe-fiada) ficava mais fino. O submundo e o mundo dos mortais se juntava em um só. Os enteados já falecidos voltavam a se sentar na mesa de seus parentes vivos para comer e beber e festejar, além de se aquecerem no fogo da lareira. O Samhain também era a época em que uma tribo celta, caso tivesse sido conquistada por outra, pagava seus tributos. Ah, não só os mortos voltavam a ser visíveis a olho nu, como também as fadas, elfos, leprechauns (duendes) e outras criaturas nas quais os celtas acreditavam. Samhain era uma época mágica, todos estavam unidos para uma só ocasião, para passar o ano, para usufruir da última colheita de verão, deixar as dívidas de lado e homenagear aqueles que já se foram.

Mesmo tendo se espalhado por todo o continente europeu, os celtas e sua cultura permaneceram vivos entre os povos das ilhas britânicas e na França. Quando o Império Romano colonizou os povos celtas, não tiveram tanto sucesso em abafar essa cultura e muitas coisas foram “romanizadas”, para serem aceitas. Samhain se tornou a Lemúria dos Romanos. Era a época mais assustadora, segundo os romanos, era a noite em que as lavas (ou almas) dos mortos voltavam para a Terra para aterrorizar os vivos (veja a diferença de conceitos já daí). Para acalmá-los, os romanos despejavam leite nos túmulos ou ofereciam bolinhos. Esses bolinhos eram derivados dos bolinhos que os celtas costumavam comer na noite de Samhain, pois acreditavam que os bolinhos eram em homenagem aos mortos. Quanto mais bolinhos comiam, mais acentrais os abençoariam e o guiariam para a sobrevivência do inverno rigoroso.

Quando iniciou a idade média, nem o processo de cristianização conseguiu derrubar a cultura celta, principalmente na Irlanda. O dia de Samhain, portanto, para deixar de ser pagão e ilegal, foi absolvido pelos romanos cristãos. Em 609 depois de Cristo, a Igreja absolveu a Lemúria dos Romanos para seus cultos sagrados, renomeando-a de Dia de Todos os Santos, mudando o dia de 31 de Outubro para 13 de Maio, transformando o culto numa homenagem aos príncipais mártires do cristianismo. O Dia de Todos os Santos, logo depois, foi transferido para dia 01 de Novembro e mudou de nome. Antes, era chamado de “all saints day”, e agora era chamado de “all hallows days”. Como o Samhain pagão era comemorado na noite de 31 de Outubro, ou seja, na madrugada anterior ao Dia de Todos os Santos, as pessoas começaram a chamar o evento de All Hallows Evening (A Noite de Todos os Santos), e assim, foi cristianizado o Samhain. O nome foi abreviado para All Hallows Even, e depois, finalmente, para Halloween. Logo depois, no 02 de Novembro, a Igreja criou o Dia de Finados, Dia de Todas as Almas (All Souls Days).

Durante a colonização da América, quando os Irlandeses colonizaram pedaços da América do Norte, essa cultura foi migrada também para lá. Por isto os Estados Unidos é o país famoso pelo Halloween caprichado que fazem todo o 31 de Outubro. Hoje em dia, além do Halloween que é uma festa generalizada e comercializada, quem mantém mais fielmente os costumes celtas são os devotos da religião Wicca, as “bruxas”.

O Ritual:

Há muitas semelhanças entre o Halloween atual e o Samhain daquelas eras que permaneceram ao longo dos séculos. Por exemplo, as famosas máscaras e fantasias, que hoje em dia crianças, jovens e adultos se fantasiam para se divertirem e pedirem guloseimas nas casas dos outros. No Samhain, quem batia na porta dos Keltoi (Celtas) para pedir comida e calor do fogo eram os fantasmas dos mortos e as criaturas mágicas, como elfos e fadas. Negar comida e conforto para essas entidades do outro mundo era uma afronta tamanha que eles tinham direito a acabar com a comida, destruir a festa, roubar sua comida à força e provocar o caos em sua casa. Daí vem o trocadilho “doçuras ou travessuras”, que hoje em dia as crianças utilizam para o alvo escolher entre dar doces para ela, ou deixar que elas baguncem sua casa como brincadeira. Na época dos celtas, os adultos saíam de casa também para cantar louvores em homenagem aos finados, segurando velas e parando de casa em casa, para que os finados abençoassem o local.

As famosas abóboras de Halloween vieram também de um costume que os celtas tinham, assim como o costume atual de se fantasiar. Os celtas acreditavam que vestir máscaras horripilantes afastava e confundia os espíritos malignos. Essas máscaras poderiam ser feitas de vegetais, plantas, barro e até mesmo couro de animal, formando máscaras animalescas. A abóbora ficou famosa, mas não era só ela a utilizada. Além de se disfarçarem, eles colocavam essas máscaras nas portas e janelas de casa, para afastar os malignos e proteger o próprio lar. Colocavam velas dentro das máscaras para ficarem mais assustadoras.

As fogueiras também eram comuns, os celtas acendiam fogueiras nas montanhas sagradas chamadas Sidh, onde eles acreditavam que os mortos e deuses antigos moram. Eles comiam bolinhos brancos em homenagem aos mortos, pedindo a benção deles, assim como também deixavam esses bolinhos nos túmulos, para que os mortos também participassem da festa e fossem agraciados.

Outra tradição que continuou no Halloween atual foi a bacia de água com maçãs flutuando nelas. Para os celtas, as maçãs eram símbolos de imortalidade e de renascença. As mulheres se reuniam em volta da fonte d’água para tentar pegar uma das maçãs com os dentes. A mulher que conseguisse abocanhar uma maçã primeiro, seria a primeira a casar no próximo verão (próximo ano para eles), e assim por diante. Assim como eles também tinham costumes de colocar pedras recobertas com as cinzas das fogueiras na noite, antes de dormirem. Na manhã seguinte, se alguma pedra tivesse sido descoberta das cinzas pelos ventos da noite, significava que alguém daquela aldeia estava para morrer no próximo verão.

Atualmente, há algumas orações que as Wiccas costumam fazer em cantos, no Samhain:

“Nesta noite de Samhain assinalo sua passagem, Ó rei Sol através do poente ruma à TERRA da Juventude.

Assinalo também a passagem de todos os que já partiram, E dos que irão posteriormente.

Ó Graciosa Deusa, Eterna Mãe, que dá à Luz os caído, Ensina-me a saber que nos momentos de maior escuridão Surge a mais intensa luz.”

***

“Ó Sabia Lua, Deusa da noite estrelada, Criei este FOGO dentro de seu caldeirão para transformar o que me vem atormentando.

Que as energias se revertam: Das trevas, luz! Do mal, o bem! Da morte, o nascimento!”

REFERÊNCIAS:

Site Adeptus. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://www.adeptus.xpg.com.br/samhain.html >

Site Wicca e as Antigas Religiões da Bruxaria. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://www.adeptus.xpg.com.br/samhain.html >

Site União Wicca do Brasil. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://uniaowiccadobrasil.com.br/imprensa/artigos/259-celebrando-a-roda-do-ano-samhain >

Site União Wicca do Brasil. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://uniaowiccadobrasil.com.br/imprensa/artigos/389-sacerdote-claudio-ramos-fala-sobre-samhain-a-noite-dos-mortos >

Site Templo de Avalon. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://www.templodeavalon.com/modules/smartsection/item.php?itemid=6 >

Site Wikipédia. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://en.wikipedia.org/wiki/Samhain >

Site Youtube, Canal Rainezanotto, A verdadeira História do Halloween. Acesso em: 2013. Disponível em: < http://www.youtube.com/watch?v=CRcjN0AWrSg >

 

 

 

Data: 31/10/2013 0 Comentários

Deixe uma resposta